Pesquisar
Close this search box.

Por que não temos a coragem de mudar? De sermos realmente o que é a nossa essência? De pararmos de oferecer oceanos e recebermos apenas alguns copos?

Imagem de destaque - Rascunho automático
Compartilhar

No tecido da existência humana, encontramos um dilema intrínseco: a falta de coragem para sermos verdadeiramente quem somos. Em um mundo moldado por expectativas externas e padrões sociais, muitos de nós hesitamos em abraçar nossa autenticidade e potencial completo. Esta relutância em assumir nossa verdadeira essência e tomar decisões que reflitam nosso ser mais profundo é um reflexo da fragilidade de nossa coragem interior.

É como se estivéssemos aprisionados por um medo paralisante, temerosos das consequências de abandonar a máscara que usamos para nos ajustar às convenções estabelecidas. Optamos por seguir um caminho de conformidade, sacrificando nossa individualidade no altar da aceitação social. Esse conformismo nos impede de explorar nossas paixões, nossos sonhos mais profundos, e nos resignamos a uma existência medíocre, desprovida de significado genuíno.

A coragem para sermos melhores, para fazermos escolhas mais autênticas, reside na capacidade de enfrentarmos nossos medos mais profundos, de desafiar as normas impostas e de nos lançarmos em direção à nossa verdadeira essência. Requer uma jornada interior de autoconhecimento e aceitação, onde reconhecemos e honramos nossos valores, nossos talentos e nossas aspirações mais íntimas.

No entanto, muitos evitam essa jornada por medo do desconhecido, por receio das críticas alheias ou simplesmente pela comodidade de permanecer na zona de conforto. Esquecem-se de que a verdadeira realização só é alcançada quando nos permitimos transcender as limitações autoimpostas e abraçar a plenitude de nossa humanidade.

Somente quando ousamos ser autênticos, quando abraçamos nossas imperfeições e abrimos nossos corações para a possibilidade de crescimento e transformação, é que podemos verdadeiramente florescer como seres humanos. É preciso coragem para desafiar as convenções, para enfrentar os obstáculos e para perseverar na busca da nossa melhor versão.

Portanto, convido cada um de nós a refletir sobre a coragem que habita em nosso íntimo. Será que estamos dispostos a nos libertar das amarras do conformismo? Será que estamos dispostos a abraçar a jornada rumo à nossa autenticidade mais profunda? A escolha é nossa, e somente quando encontrarmos a coragem para sermos verdadeiros conosco mesmos, poderemos vivenciar plenamente a beleza e a riqueza da vida.

Por Júnior Chisté, psicólogo, escritor e palestrante.

Imagem de destaque - ALEP
Imagem de destaque - TV A Folha