Pesquisar
Close this search box.

Marília assumiu a secretaria da Saúde de Palmas comenta sobre os desafios e as metas a serem atingidas

Imagem de destaque - Rascunho automático
Compartilhar

Na sexta-feira (15), foi publicado no Diário Oficial dos Municípios do Paraná, a Portaria nº 20.841, onde foi nomeada para assumir a secretaria de Saúde de Palmas, a enfermeira, Marília Forest, que anteriormente, já havia ocupado alguns cargos de relevância nesta Secretaria, incluindo o Comitê Gestor Operacional e o Setor de Epidemiologia, no período da Covid-19.

A secretária, participou do programa Direto ao Assunto da TVA, onde expôs várias questões e respondeu aos questionamentos, explicou ainda sua função na questão do enfrentamento a Covid. “Foi um momento de crescimento profissional por toda dificuldade da situação”.

Convite

Sobre o convite para assumir a secretaria da Saúde, afirmou que foi uma honra, pois, segundo ela, é uma das pastas mais importante do governo municipal devido sua complexidade por lidar com vidas. “Isso demonstra a preocupação do prefeito, Dr Kosmos, do vice, Bruno, da Professora Joseana, com este setor. Para mim, é um desafio profissional, fazer diferente, trabalhei com alguns secretários, os pontos positivos irei aplicar no dia a dia”.

Marília, pontuou também  que tem um olhar de profissional de saúde, enfermeira, de servidora por 10 anos dessa pasta. “O setor da saúde é uma pirâmide, a base é a Estratégia da Saúde da Família (ESF), o atendimento no Postinho do bairro, onde nós precisamos fortalecer, essa é minha intenção”.

Mudanças

Segundo ela, as estruturas físicas da saúde municipal são excelentes com equipe capacitada. “Ao menos nesse momento não penso em mudanças, acredito que apenas ajustar algumas questões pontuais”.

Exames

Sobre os pacientes terem que se deslocar para outras cidades para realizarem estes procedimentos, Marília, esclareceu que isso ocorre, pois, a Prefeitura, realiza Chamamento Público ou Licitação e a empresa vencedora presta o serviço. “A outra questão é que por muitas vezes os profissionais do município prestam o serviço, mas, não se credenciam e não participam das licitações. Gostaríamos que estes exames fossem feitos no município, é uma maneira de economia. Para as outras cidades são cedidos os transportes. Entendo a reclamação, mas isso foge ao nosso controle”, enfatizou.

Médicos

A secretária, revelou que não há falta de médicos no município, atualmente, existem empresas contratadas que dispõem desses profissionais. “Ocorre que, um médico, recém formado fica entre 06 meses há 01 ano, naturalmente, quer fazer uma residência, se especializar, e, procura os grandes centros, essa é a nossa grande dificuldade”.

Sobre o programa Mais Médicos, ela esclareceu, para Palmas, são sete vagas, das quais, o município irá receber três médicos essa semana, sendo que, dois já estão trabalhando, Dr Luiz (UBS) do Rocio e o Dr Norge (UBS) do Lagoão e o outro chegará em breve. “Os outros quatro médicos chegarão em dezembro”.

Autistas

“Em 2022, o gasto para este público foi de R$ 70.960,00, em 2023, já foi gasto R$ 214 mil, o valor triplicou. Está ocorrendo uma reorganização desse serviço, pois, a demanda é muito grande. Temos um orçamento, seguimos um limite financeiro. A realidade é que as crianças são atendidas em Pato Branco, com Terapeuta Ocupacional, Fonoaudióloga, Neurologista e  Terapeuta Neuro Psíquico Social”.

Questão Financeira

Informou que devido à questão financeira os serviços serão reorganizados para se adequar a situação. “Na secretaria, temos duas médicas auditoras, com a capacidade técnica estão nos auxiliando nestas demandas. O corte de recursos foi a nível federal, não é exclusividade de Palmas”.

Imagem de destaque - ALEP
Imagem de destaque - TV A Folha