Pesquisar
Close this search box.

Janeiro Branco: Psicólogo Júnior Chisté aborda sobre o tema “saúde mental

Imagem de destaque - Rascunho automático
Compartilhar

Caros leitores da A Folha do Sudoeste do Paraná,

Em meio aos dias que se desenrolam, convidamos cada um de vocês a pausar por um momento e dirigir o olhar para um aspecto muitas vezes negligenciado, mas intrinsecamente vital: a saúde mental. Janeiro, vestido de branco, nos brinda com uma oportunidade única de reflexão e conscientização sobre a importância de cuidarmos do nosso bem-estar psicológico.

Vivemos em uma era de velocidade, onde as demandas diárias e as pressões sociais muitas vezes nos envolvem de forma intensa. Nesse cenário, é fácil perder de vista o cuidado essencial com a nossa mente, que é o epicentro de nossas emoções, pensamentos e ações.

O Janeiro Branco surge como um convite para desvelarmos as camadas que envolvem nossa saúde mental, para rompermos o silêncio e desmistificarmos os estigmas que, por vezes, nos afastam da busca pelo equilíbrio emocional. É um chamado para todos nós, como comunidade, reconhecermos a importância de cultivar um ambiente que promova a compreensão, a empatia e o apoio mútuo.

A obtenção da saúde mental não é uma jornada solitária, mas sim um compromisso coletivo. É o reconhecimento de que todos nós, em algum momento, enfrentamos desafios emocionais e precisamos de solidariedade e compreensão. Buscar a saúde mental não é sinal de fraqueza, mas de coragem e autenticidade.

A estrada para o bem-estar psicológico passa por diversas trilhas, e cada um de nós pode encontrar o caminho que melhor se alinha às suas necessidades. Envolve autoconhecimento, respeito pelas próprias limitações, conexões sociais enriquecedoras e a busca por auxílio profissional quando necessário.

Que este Janeiro Branco seja um convite para cultivarmos a empatia, promovermos diálogos abertos sobre saúde mental e construirmos uma rede de apoio que transcenda as fronteiras do estigma. Vamos celebrar a diversidade de jornadas emocionais, reconhecendo que a fragilidade não é ausência de força, mas sim a expressão de uma humanidade que se entrelaça na complexidade de suas experiências.

Que, ao encerrar este mês, possamos olhar para trás e perceber que, juntos, contribuímos para uma comunidade mais consciente, solidária e comprometida com a saúde mental. Que possamos ser faróis uns para os outros, iluminando o caminho rumo a uma vida mais plena, equilibrada e repleta de significado.

Com respeito e solidariedade,

Júnior Chisté, psicólogo, escritor e palestrante.                                                                                                                                                       

 Atende através de vídeo-chamadas

(49) 9 9987 9071.

Imagem de destaque - ALEP
Imagem de destaque - TV A Folha