Pesquisar
Close this search box.

Entre os alvos da megaoperação policial tinha um fornecedor de drogas de Palmas que movimentou mais de R$ 6 milhões

Imagem de destaque - Entre os alvos da megaoperação policial tinha um fornecedor de drogas de Palmas que movimentou mais de R$ 6 milhões
Imagem de destaque - Rascunho automático
Compartilhar

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) e a Polícia Militar do Paraná (PMPR) foram as ruas desde as primeiras horas da quarta-feira (26). A missão foi desmantelar diversas associações criminosas atuantes no tráfico de drogas na região de Palmas. A operação conjunta, fruto de um ano de investigações de alta complexidade, envolveu o cumprimento de 174 mandados judiciais, incluindo 74 de prisão preventiva e temporária e 100 de busca e apreensão.


A operação se estendeu pelos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, mobilizando mais de 500 policiais. A ação incluiu suporte aéreo de helicóptero da PCPR e cães policiais da PCPR e PMPR, que ajudam na localização de suspeitos, drogas e outros materiais ilícitos. As polícias civis de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul auxiliaram no cumprimento dos mandados em seus respectivos estados. A Polícia Penal do Paraná (PPPR) também participa da operação.

Os mandados foram cumpridos simultaneamente nas seguintes cidades:

Paraná

Clevelândia, ⁠Cel Domingos Soares, Curitiba, Mangueirinha, ⁠Palmas e ⁠Pato Branco.

Santa Catarina

Chapecó e ⁠São Domingos

Rio Grande do Sul

Flores da Cunha

Dados

A operação buscou a descapitalização das associações criminosas. Foram decretadas medidas de sequestro de bens contra 22 integrantes, visando enfraquecer financeiramente a estrutura dos grupos. Entre os alvos, destaca-se um fornecedor de drogas de Palmas que movimentou mais de R$ 6 milhões durante as investigações.

Os crimes investigados incluíram tráfico de drogas, associação para o tráfico e lavagem de dinheiro. A operação mira desde grandes fornecedores até pequenos traficantes, demonstrando a abrangência das investigações.

A ação conjunta entre PCPR e PMPR destaca a importância da cooperação interinstitucional no combate ao crime organizado. A operação não apenas busca a prisão dos envolvidos, mas também a desestruturação financeira dos grupos criminosos, essencial para enfraquecer suas atividades ilícitas a longo prazo.

A operação é resultado de 20 investigações distintas, todas convergindo para o desmantelamento de uma rede criminosa complexa e estruturada. Este esforço investigativo faz parte do direcionamento de atuação de combate ao crime organizado.

Depoimentos, autoridades

No auditório da ACIPA, representantes das forças policiais concederam entrevista coletiva para os órgãos de imprensa da região.

“Foi uma operação importantíssima contra o tráfico de drogas investigação conjunta da Delegacia de Palmas e da 12ª Cia Indep da Polícia Militar e resultou neste número expressivo de mandados de prisão, busca e apreensão, prisão temporária, envolvendo 500 policiais do PR, SC e RS”, relatou o delegado chefe 5º SDP de Pato Branco, Helder Lauria.

A delegada da DP de Palmas, Drª Alini Simadon, explicou que foi uma megaoperação policial e revelou alguns números preliminares, “são investigações complexas, detidos alvos importantes, inclusive um deles, um dos maiores fornecedores de drogas de Palmas e região”.

O comandante da 12ª Cia Indep da Polícia Militar, Cap Bueno, afirmou que foi uma honra participar de uma operação tão grandiosa. Destacou também a atuação dos delegados da DP de Palmas, Drª Alini Simadon e Dr Kelvin Bressan, que fazem trabalho diferenciado na combatividade do tráfico de drogas. “A PM deslocou mais de 100 policiais militares para prestar apoio nessa operação, do BOPE, ROTAM, RONE, Batalhão da Fronteira. Em uma das residências o suspeito acabou reagindo, os policiais se defenderam e o elemento acabou morto, sendo que, o mesmo tinha extensa ficha criminal”.    

Imagem de destaque - ALEP
Imagem de destaque - TV A Folha