Pesquisar
Close this search box.

Departamento de Urbanismo de Palmas explica ações para coibir alagamentos

Imagem de destaque - Rascunho automático
Compartilhar

Devido às fortes chuvas que vem ocorrendo em Palmas, bem acima da média histórica, os alagamentos se agravaram em alguns locais pontuais, atingindo os bairros São José, Lagoão, Santuário e Centro.

De acordo com a Agrometeorologista e Pesquisadora do IDR, Heverly Morais, até o dia (30) de outubro a precipitação pluviométrica no município foi de 616 mm, sendo que, a média histórica é de 258,5 mm, em outubro de 2022, foi de 376,8 mm.

Diante deste cenário, moradores, utilizaram as redes sociais para desabafar e também cobrar ações do Poder Público. Porém, uma questão que também é responsável pelos alagamentos, é a imensa quantidade de lixo e entulhos que foram retirados das bocas de lobo, das galerias e dos córregos. Essa ação foi desenvolvida através da equipe da Secretaria de Infraestrutura que vem trabalhando incessantemente nesses últimos dias.

Para debater essa questão, o diretor do departamento de Urbanismo, Arthur Menegatti e a engenheira, Patrícia Zini, participaram de uma sessão do legislativo palmense, para expor um Plano de Metas a curto, médio e a longo prazo, com a intenção de amenizar esta problemática. Na sessão, os representantes do departamento de Urbanismo também responderam questionamentos dos vereadores e moradores.

“Foram retirados telhas, pedaços de madeira, sofá, tudo isso obstrui a passagem da água nas galerias, não é apenas a construção de prédios nestes locais. A população tem que se conscientizar”, alertou Menegatti e comentou que uma ação a médio prazo é a aquisição de barreiras de inundação, “são de materiais plástico, exemplo, no bairro São José, onde o rio passa na rua, pode ser feita uma barreira com esse material impedindo que a água entre nas casas, funcionaria como se fosse sacos de areia, é feito em outras cidades”.

Destacou também sobre a emissão da Guia Amarela para as construções, “orientamos as pessoas que tem um terreno que possa ser alagadiço, que a mesma tenha ciência, caso construa naquele local deverá fazer alguma medida para que não a prejudique futuramente, especialmente, para as pessoas que vem de outros lugares e não conhecem a realidade”.

Equipe do departamento de Urbanismo que realizou o estudo

Antônio Cristiano Lara Sampaio, Patrícia Aparecida Zini, Arthur Almeida Menegatti e Daiane Aline Grooders.

Ações a serem tomadas – imediatas/curto prazo 

Limpeza regular dos córregos e rios; inserção de réguas altimétricas; decretar equipe de manutenção; notificar empresas confrontantes com APP; limpeza regular nos espaços públicos e campanha de conscientização da população.

Médio Prazo

Aquisição de barreiras de inundação; realização de teste com bomba autopropelida;

EPI´s para realização das atividades; instituir política pública, em guia amarela, com a ciência em termo de responsabilidade; conscientizar população ribeirinha; disk emergência (bueiro entupido, queda de árvores, mudanças); desenvolver projeto para a recomposição de mata ciliar; notificar SANEPAR para apresentar o PDA; elaboração do Plano de Macrodrenagem (empresa especializada); aumento na taxa de permeabilidade nas sub-bacias; regulamentação da Lei de Cisternas e estruturar, capacitar e aparelhar a Defesa Civil Municipal.

Longo Prazo

Execução do Plano de Macrodrenagem (Plano Diretor de Drenagem Urbana); políticas públicas de incentivos a pavimentos permeáveis e políticas públicas de regulação da vazão em novos loteamentos.

Fonte: Departamento de Urbanismo de Palmas.

Galeria de imagens

 

Imagem de destaque - ALEP
Imagem de destaque - TV A Folha